quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Não Pai - Daniel Blaufuks

O desabafo de um filho em busca de um pai, ou quando as palavras têm de valer mais do que uma imagem de ausência - mesmo para um dos mais conceituados artistas visuais portugueses.
As fotografias captam uma presença, fixam uma imagem. Daniel Blaufuks sabe isso como poucos. Mas este livro é sobre uma ausência - a do seu pai, que se foi esfumando em vida desde que Daniel tinha dois anos -, e é uma investigação emocional feita sobretudo com palavras, e através da partilha crua e honesta de um longo processo de perda.

Não Pai parte do momento em que chega uma carta da viúva do pai a comunicar a sua morte mais de um mês depois de esta ter acontecido, para depois percorrer um caminho de memórias confusas, enormes vazios e gestão de despojos - sejam os isqueiros de uma lista de herança rejeitada ou a angústia de uma fotografia que nunca se vai poder tirar.

 Não Pai


terça-feira, 3 de dezembro de 2019

O Pastor de Ventos - António Cabrita

“— Então ouve: conta-se que quando se nasce nos é atribuído um vento, um vento de que a pessoa deve cuidar. Como hoje se tornou hábito deixar os ventos à solta dá esta confusão… Bom, um vento não é um pé de buganvília para estar amarrado e todos os dias tem de andar um bocadinho à solta, só assim é que nos traz os aromas distantes, o canto de um pássaro, uma música ou o beijo de um desconhecido… Todos os dias tem de soltar-se. Muito diferente é abandoná-lo, aí torna-se selvagem."

 António Cabrita


segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Sinais de Vida - Joana Pontes

A GUERRA COLONIAL ATRAVÉS DA CORRESPONDÊNCIA DE PESSOAS COMO NÓS
16 arquivos / 4400 cartas e aerogramas / 11 300 páginas enviadas

Em 13 anos de Guerra Colonial, de Angola para Portugal, de Portugal para Cabo Verde ou Moçambique, entre namorados, pais e filhos, amigos-irmãos e irmãos-irmãos, circularam milhares de cartas - a expedição média de correio entre as colónias e a metrópole atingiu o impensável número de dez toneladas por dia.

São arquivos pessoais valiosos, que emprestam perspectivas e sensibilidades íntimas a um conflito de carácter global, e que se têm vindo a perder. É essa perspectiva que este livro recupera, partilhando testemunhos e histórias privadas que são, apesar disso, reconhecíveis por milhares de pessoas, e que constituem um posto privilegiado de observação sobre uma era marcante da história portuguesa.

 Sinais de Vida


domingo, 1 de dezembro de 2019

Benfica - 365 Dias de Glória - Rui Miguel Tovar

O Benfica é o maior clube português e as grandes conquistas têm data e hora marcada, do primeiro até ao último dia do ano, com exceção do Natal. Há goleadas inesperadas e vitórias magras. Há os heróis do costume e os improváveis. Há de tudo, até a nível particular e pouco falado.

Este livro explica como é fácil e difícil, ao mesmo tempo, escolher o jogo ideal para cada um dos dias do ano. Um exemplo flagrante é 14 Maio o hat trick de João Vieira Pinto em Alvalade 1994 ou o cabeceamento de Luisão na Luz 2005.

A história por trás de cada vitória das águias ao longo dos anos, dia a dia. Uma viagem por 115 anos de história do clube, repleta de momentos de glória, resultados expressivos e figuras inesquecíveis.

 Benfica


sábado, 30 de novembro de 2019

Mister Jesus 30 anos de uma carreira ímpar - Rui Pedro Braz

Este livro é um retrato fiel da vida profissional de Jorge Jesus. A partir de uma análise rigorosa da sua carreira, vamos entender as razões por trás do seu sucesso, as metodologias que o tornam tão diferente, os traços de personalidade que fazem do Mister um personagem ímpar no mundo do futebol. São 52 clássicos disputados, 124 duelos europeus, 1121 jogos como treinador e inúmeras histórias de vida que traçam um perfil brutalmente honesto e nunca antes visto.
Dos confrontos táticos com treinadores como Ferguson, Simeone, Zidane, Ancelotti, Bénitez ou Deschamps, às estratégias para travar jogadores como Cristiano Ronaldo, Messi, Ronaldinho Gaúcho, Iniesta, Ibrahimovic ou Cavani. Os maiores palcos do futebol mundial não têm segredos para Jorge Jesus, mas para lá chegar teve de começar por baixo, nos campos pelados de clubes com modestas condições.
É um livro de futebol, sim, mas é muito mais do que isso. É a história do menino que viu o seu avô falecer ao seu lado no mais longo jogo da história, mas também do jovem que decidiu ser jogador depois de adormecer com a cara num prato de sopa. É a história do futebolista que foi convidado para ser treinador quando ainda jogava, mas também do treinador que teve uma arma apontada à cabeça num treino. Em suma, é Jorge Jesus na sua essência. Um treinador inimitável, oriundo de um futebol que já não existe e dono de um conhecimento muito à frente do seu tempo. Conhecedor profundo da carreira de Jorge Jesus, Rui Pedro Braz apresenta-nos nesta obra um trabalho de detalhe, baseado numa investigação e análise rigorosas de 30 anos de carreira do técnico, 52 clássicos disputados em Portugal, 124 duelos internacionais, 1121 jogos como treinador profissional e inúmeras histórias de vida que traçam um perfil brutalmente honesto e nunca antes conhecido. Porque nenhum dos seus sucessos é obra do acaso.

 Jorge Jesus


sexta-feira, 29 de novembro de 2019

Batman Ano Um - Frank Miller

Com Batman - Ano Um e Batman - O Regresso do Cavaleiro das Trevas, editados pela Levoir no selo DC Black Label, Frank Miller colheu méritos mais do que suficientes para ser considerado uma das lendas do comic e um dos mais influentes autores da mitologia da personagem.

Em 1986, Frank Miller e David Mazzucchelli produziram uma reinterpretação revolucionária da origem do Batman - como ele apareceu e quem veio a ser.

Batman - Ano Um viria a marcar o antes e o depois da história da personagem, e a definir o universo do Cavaleiro das Trevas de Gotham e uma visão nova do mais lendário dos super-heróis.

 Batman


quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Poema à Duração - Peter Handke

«O título, Gedicht an die Dauer (Poema à Duração), indicia já um tema pouco vulgar e implica uma reflexão, que, para além de poética e do que se refere à realidade do poeta, não deixa de entrar também no domínio da filosofia. [...] No seu poema, Handke procura indagar em que condições o tempo foi para ele uma sensação de continuidade, algo que não se esgotou num momento, mesmo de felicidade, mas a que lhe foi possível regressar, sempre que condições idênticas, não as mesmas, se verificaram. A duração é, por isso, um produto da sua experiência, um sentimento que se baseia na repetição de certos actos, que assim ganham continuidade e permitem uma identificação do próprio “eu”. A duração representa uma comunhão consigo próprio, a descoberta do seu próprio ser [...].» [da introdução de José A. Palma Caetano]

Há já muito tempo que pretendo escrever sobre a duração,
não um ensaio, uma peça de teatro ou uma história —
a duração exige a poesia.
Quero interrogar-me num poema,
lembrar-me num poema,
afirmar e conservar num poema
o que é a duração.

[…]


 Peter Handke


quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Contos e Novelas - Camilo Castelo Branco

Camilo Castelo Branco é o mais prolífico escritor das letras lusas do século XIX, iniciado e praticante das correntes que atravessaram o universo literário nacional e europeu no seu tempo de vida. Tendo sido provavelmente o primeiro - e um dos poucos - escritores portugueses a viver da escrita, Camilo vogou entre escolas e estilos, adaptando-se aos gostos do público mas, ao mesmo tempo, criando uma personalidade literária que se sobrepunha a esses estilos e escolas e que fez dele um autor incontornável.

Da sua obra constam dezenas de livros de contos e novelas e, espalhados pela imprensa periódica da época, centenas de textos curtos ficcionais de Camilo viram a luz do dia. Contudo, os textos curtos de Camilo são os menos estudados e considerados, fruto da maldição que parece ser imposta ao texto curto em Portugal. Curiosamente, são os mais próximos das intenções do autor e reveladores do seu talento porque os menos condicionados pela ditadura do mercado.

Este é o primeiro volume da recolha dos contos e novelas de Camilo, cujos primeiros volumes se centram na obra previamente coligida do autor. Nele vai encontrar o leitor a fase inicial da obra do autor, essencialmente romântica e ultrarromântica mas já dando sinais da voz cada vez mais singular do autor que se viria a distinguir no sarcasmo e ironia que viriam a marcar as fases posteriores da sua obra.

O volume conta com um prefácio, uma introdução, uma cronologia camiliana e notas diversas da autoria do crítico Hugo Pinto Santos, que coordena a edição destes Contos e Novelas Completos de Camilo Castelo Branco.

 Camilo Castelo Branco


terça-feira, 26 de novembro de 2019

História da Madeira - Volume V - Rui Carita

O século XIX representou uma etapa crucial da História da Madeira. Primeiro, com as ocupações britânicas, no quadro das Guerras Napoleónicas; depois, com a transferência da corte para o Brasil e as revoluções liberais que mudaram drasticamente o panorama político em Portugal e na Europa, encerrando o denominado Antigo Regime.

Este século também foi marcado por profundas alterações políticas e, no caso da Madeira, pelas crises económica e social advindas das pragas da vinha, até então a principal produção da Ilha, e pela progressiva adaptação das estruturas de apoio ao turismo terapêutico e, depois, de lazer.

O início do século XIX representa, ainda, a configuração e a consolidação de uma consciência política insular, de que se foram queixando sucessivamente os governadores, os prelados, os corregedores e os provedores.

A Madeira foi assim o primeiro local, fora do continente, a apoiar a revolução liberal do Porto e de Lisboa, logo enviando representantes às novas Cortes Constituintes e, em 1882, a eleger um deputado republicano, Manuel de Arriaga, que, quase 30 anos depois e implantada a República, seria o seu primeiro Presidente.

 Rui Cárita


segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Histórias do Meu Tempo - Camilo Castelo Branco

«Nesta antologia recuperei de uma dispersão por jornais e livros alguns dos textos de ficção de Camilo Castelo Branco que se me afiguraram mais representativos entre os que ele escreveu e publicou desde o início dos anos 50 a finais dos anos 80 do século XIX. Daí me tenha servido para título de uma obra pensada pelo autor, mas nunca escrita. Histórias do Meu Tempo é título encontrado numa carta de Camilo ao seu amigo Vieira de Castro, chegando mesmo a dizer-lhe que figurava entre os seus últimos trabalhos que estavam "a gemer na estampa", destinados a um editor lisboeta.

Folheando esta obra, sentimos logo estarmos ante um fantástico álbum videográfico dominado pelos tons a sépia das imagens de uma sociedade que mais ninguém conseguiu amostrar como o autor de Amor de Perdição. Ler as ficções que conformam Histórias do Meu Tempo é uma lição de escrita que compreende uma seleção de páginas entre milhares que saíram da banca de trabalho de um dos mais fecundos escritores da nossa Literatura.»

Conteúdo da obra

• Uma Praga Rogada nas Escadas da Forca
• A Formosa das Violetas
• Vingança Dum Rinoceronte de Amor
• Uma Viscondessa Que não Era
• Mil por Um
• Gracejos Que Matam
• Dois Santos não Beatificados em Roma
• O Comendador
• Um Parente de Cinquenta e Três Monarcas
• Maria Moisés
• A Mulher da Azinhaga
• O Degredado
• Dois Corações Guisados
• A Viúva do Enforcado
• O Livro V da Ordenação, Título 22
• Aquela Casa Triste
• Que Segredos São Estes?
• O Senhor Ministro
• O Filósofo de Trapeira
• O Cofre do Capitão-Mor
• Quarto dos Doze Casamentos Felizes

 Camilo Castelo Branco


domingo, 24 de novembro de 2019

História de Portugal - António Leite da Costa

Descobre os acontecimentos e as personagens mais importantes da História de Portugal desde os antecedentes da fundação da nacionalidade até à adesão de Portugal à União Europeia, numa obra de grande rigor científico e enriquecida com as mais recentes investigações.

É uma história inesquecível que já conta com mais de 850 anos.

 História de Portugal


SUGESTÃO

Inferno de Dan Brown

Não Pai - Daniel Blaufuks

O desabafo de um filho em busca de um pai, ou quando as palavras têm de valer mais do que uma imagem de ausência - mesmo para um dos mais c...