terça-feira, 3 de dezembro de 2019

O Pastor de Ventos - António Cabrita

“— Então ouve: conta-se que quando se nasce nos é atribuído um vento, um vento de que a pessoa deve cuidar. Como hoje se tornou hábito deixar os ventos à solta dá esta confusão… Bom, um vento não é um pé de buganvília para estar amarrado e todos os dias tem de andar um bocadinho à solta, só assim é que nos traz os aromas distantes, o canto de um pássaro, uma música ou o beijo de um desconhecido… Todos os dias tem de soltar-se. Muito diferente é abandoná-lo, aí torna-se selvagem."

 António Cabrita


Sem comentários:

Enviar um comentário

SUGESTÃO

Inferno de Dan Brown

Um Mar Sem Estrelas - Erin Morgenstern

Muito abaixo da superfície da Terra, na margem do Mar Sem Estrelas, existem inúmeros túneis e recintos cheios de histórias. As entradas que...